sexta-feira, agosto 15, 2008

absorção

a gente se encontra logo ali, entre uma rua e outra. em algum pequeno espaço no infinito. relação de um detalhe só, de um tipo de amor inconfundivel que norteia alguns pedaços dos meus dias. eu quero andar mais levemente. devagar. com tempo de olhar nos olhos, de olhar pros muros, pras marcas que conduzem, que inspiram, que repousam sob a imagem da cidade. das pessoas. das idéias. vivemos sempre momentos de absorção. de sentimentos. de lugares. de experiências. da vida que se deixa inspirar por pensamentos crueis e sublimes. somos só uma parte disso. uma linha jogada numa rede infindavel e confusa. cheia de coincidências, acasos, destinos. ou do que se possa chamar de momentos sem explicação. as coisas simplesmente acontecem. elas são de uma força que suga e nutre quem vive. quem se deixa viver. e eu quero sentir. e eu quero que sintam. se for pra gritar. que grite.

3 comentários:

Natália. disse...

é..
desgastante, às vezes, também.
mas, mostra que a gente está vivo.. ou sei lá.

Fábbio disse...

Excelente, Pri!
Vc mostrou toda a sua inspiração e dote poéticos.
Parabéns!!!
Com relação a coincidências... bem, eu não acredito muito... e destino... bom, pode ser q esteja tudo escrito para q possamos apenas executar [contestável].
Abraço, querida!
Sucesso!!!

Amanda disse...

assim q se vive... construindo desconstruindo...