terça-feira, dezembro 26, 2006

eterno

o que se faz depois de abandonar o lugar mais tranquilo do mundo? as pedras da igreja. toda a calma das lápides. corre pela cidade sem ruas asfaltadas, sem luz em longos trechos. uma cachoeira sem água, a serra que foi secando ao longo do tempo. engenhos. canaviais. meu vô sentado na calçada, cadeiras de balanço esperando companhia. sempre chegam. portas abertas. casas coloridas, sem muros. chega a ser fascinante só observar. feira aos domingos. véspera de natal. festa no clube. missa lotada na igreja da sé. um mundo. daqueles difíceis de se ver. as telhas antigas. retratos pintados. no quintal, o jantar. vento forte, enche os olhos de poeira. chega a chorar. chega perto. como se todos o conhecessem e conhecem. pedem benção. a vista gasta mal reconhece. assim vive. tão pleno e lúcido. dias iguais. um bingo de fim de ano. o sino de cinco em cinco minutos anunciando horários. que todos seguem. anoitece, como se cada dia fosse o último. diz adeus. e sinto saber que nem tudo é eterno. talvez ali seja. dentro daqueles limites. que não precisam de muros. em que ainda sorriem e desejam bom dia uns pros outros. onde o dia realmente começa com o cantar do galo.
quando começa o dia? talvez às duas da manhã, quando se dá conta que tem algumas estrelas e casas além da janela do ônibus. sozinhas. existindo a beira da estrada. nascendo. entre um sono e outro, uma cidade e outra.

6 comentários:

priscila disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Fred Buscaglione disse...

ciao bella...se ti becco, ti ammazzo !

dianne disse...

aiiii prisciulaa, eu conseguii imaginaar exatamente oq tu descreveu...aquela paz típica de cidadezinha pequena de interioor..
e a tristeza de saber que nem tudo é eterno.. =/

Vasconcelos disse...

imaginando o interior de meus avós... portas abertas, ao lado da igreja,entre galos, sinos e bons dias!!

pedro rocha disse...

gostei priscila! como te falei, experimenta escrever sobre teu avô. Acho que gostaria de ter escrito sobre os meus, mas não tive muito contato com eles.

Dudu disse...

Massa... tô sempre de olho... adoro...
beijo.